PADRE AOS FIÉIS : 'ESTOU APAIXONADO E DEIXO A BATINA'


O anúncio de padre Riccardo Ceccobelli durante a missa dominical em Massa Martana, na província de Perugia. "Quero tentar viver este amor sem o sublimar, sem o retirar"

O bispo falou primeiro. Então o padre. Assim, diante dos fiéis Dom Riccardo Ceccobelli, 41, abriu seu coração. Ele confessou amar a Igreja, mas também uma mulher. "Não posso deixar de continuar a ser coerente, transparente e correto como sempre fui até agora. Mas meu coração está apaixonado. Quero tentar viver este amor sem o sublimar, sem o retirar".

O anúncio foi feito aos fiéis por Dom Gualtiero Sigismondi durante a missa do último domingo em Massa Martana. Os paroquianos pularam nos bancos. Mas todos em Pantalla, como na vizinha Massa Martana, na província de Perugia, já sabiam há algum tempo. A notícia estava circulando. Don Riccardo fora visto caminhando com uma mulher. Sem alarde, foi a avó Quintilia no mês passado quem comunicou o caso ao primo do padre: "Sabes, o Riccardo está a arrumar-se. Tem essa menina ... ". 

A mãe de Riccardo, Mirella, tenta explicar : "Somos uma família católica, rezei para que o meu filho fosse padre . O Riccardo é de boa índole, fez parte da Ação Católica, quando jovem já tinha tido uma mulher, talvez mais, mas não fiquei surpresa quando ele me disse que queria ser padre".


A mãe conta, porém, que quando Riccardo estudou teologia, se formou com louvor e anunciou que queria ser padre, nem todos os parentes entenderam essa escolha. "Ele era considerado um menino bonito, que trabalhava como operário em uma fábrica e que talvez eles gostariam de ver constituir família." Depois, a viagem para a Albânia. "Ele vivia um momento delicado, um período de desordem. Um padre o convidou a acompanhá-lo até a Albânia. E foi lá que ele teve sua conversão. Ele disse: “Tenho visto pobreza absoluta, não tenho como reclamar de tudo e há gente que não tem nada” . Dom Riccardo é muito querido pelos paroquianos.  Mas ele,  simplesmentes se apaixonou. "

Apresentando Laura

Posteriormente, em entrevista, apresentou a foto de sua namorada, identificada apenas por Laura.  Já pediu a Gualtiero Sigismondi, bispo da diocese de Orvieto-Todi, a dispensa da obrigação do celibato e demissão ao estado laico. Ele diz que nunca mais vai voltar. “Assim que a notícia apareceu, um amigo meu me ligou. Ele me disse: O que você fez?  E agora todo mundo está pensando sabe-se lá o quê, mas eu tive que dar esse salto no escuro, porque é verdade que deixei de ser padre. E então eu não poderia continuar mantendo essa coisa dentro de mim. Eu devia isso a Deus, ao meu bispo, aos meus paroquianos. Uma questão de honestidade, liberdade, transparência ”.



Depois contou como conheceu Laura: “Já nos conhecemos há quatro anos, porque há seis anos sou pároco de Massa Martana e nos conhecemos na paróquia. Mas foi desde setembro passado que algo dentro de mim mudou para sempre. Comecei a perceber uma emoção interior, mas no início fiz de tudo para manter a situação sob controle, juro para você, esperava que ela encontrasse um namorado, mas a cada dia que passava eu ​​ficava pior e pior. Uma noite, senti vontade de ligar para ela. Eu não conseguia dormir sem ouvir sua voz. Quando ela respondeu, eu disse: “Alô? Olá sou eu". E imediatamente depois senti um bem-estar, uma grande paz dentro de mim. E adormeci. Em janeiro apresentei minha renúncia ao bispo".

Laura está agora próxima dele, tem 26 anos, é enfermeira e também catequista e por isso, diz: “a gente ainda quer ficar na Igreja, se houver regras de respeito a gente quer fazer , sem causar escândalo ”. À imprensa o sacerdote revelou o motivo de estar com um tampão no olho:  o choro em excesso provocou uma inflamação, já que usa lentes de contato. Caso se encontrasse com o papa Francisco, ele revela que pediria apenas que orasse por ele e por todos os párocos do mundo, principalmente os que se encontram na mesma condição que a dele.

A partir do jornal Corrieri Della Serra

Postar um comentário

0 Comentários