Seu objetivo sempre foi ser pintora e, para pagar as contas, a jovem Christiane iniciou uma carreira de atriz, nos anos 1950. Fazia, em Viena, uma montagem de As Três Irmãs. Stanley Kubrick, que precisava de uma atriz para cantar na cena final de Glória Feita de Sangue, contratou um agente local, que lhe indicou a montagem de Chekhov, pensando numa atriz (que não Christiane) como a ideal. Kubrick foi ver. Encantou-se com ela. "Contratou uma atriz e ganhou uma mulher. Para toda a vida.", resume Christiane.

Christiane conheceu o diretor durante
filmagens de 'Glória Feita de Sangue'
Christiane Kubrick e o irmão, Jan Harlan, estiveram em São Paulo para a abertura da Mostra, que este ano exibe uma retrospectiva do grande diretor. Christiane forneceu a aquarela - Kubrick retratado durante a filmagem de Barry Lyndon - que virou a vinheta da 37.ª edição. "Ficou muito bonita", ela diz. "Renata (Almeida) é muito dinâmica. Sabe fazer as coisas acontecerem", acrescenta Harlan.

Viveram juntos, Christiane e seu Stanley, até a morte dele, em 1999. Foram mais de 40 anos. Desde então, o irmão e ela dedicam-se a manter viva a chama de Kubrick. Agora mesmo, há uma exposição em São Paulo - na Mostra -, e os filmes estão sendo sempre polidos e restaurados, para novos lançamentos. "Tudo isso sai caro, mas a obra de Kubrick continua atraindo o público. Para a indústria do cinema, ainda vale a pena investir nele. Kubrick é rentável."

A viúva conta que Kubrick não admitia interferências do estúdio, mas se empenhava em fazer filmes atraentes para o público. "Ele ficava orgulhoso com as boas rendas. Sabia que iam tranquilizar os executivos e ele poderia continuar trabalhando como gostava." Como foi viver tanto tempo com um gênio? "Stanley minimizava a questão. Dizia que era 10% de talento e 90% de trabalho." Não mais na entrevista, realizada num hotel da Paulista, mas na apresentação da vinheta, quinta-feira à noite na abertura da Mostra, ela contou uma história de Barry Lyndon. "Ele se feriu e sangrou, por causa de um espinho. Dizia que colocou seu sangue naquele filme."
A partir do Estadão. Leia no original
Compartilhe no Google Plus

Sobre Editor

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;