HISTÓRIA DE AMOR MOTIVOU DECISÃO SOBRE UNIÃO GAY

Edith Windsor comemorou decisão 
"Por favor, casem-se imediatamente", disse Edith "Edie" Windsor a amigos gays que lhe telefonavam nesta quarta-feira para comemorar a decisão histórica da Suprema Corte americana, que declarou inconstitucional a Defense of Marriage Act (Lei da Defesa do Casamento, ou Doma, na sigla em inglês), abrindo caminho para que casais do mesmo sexo tenham acesso a benefícios federais até então exclusivos para os heterossexuais.

Windsor, de 84 anos, é a autora da ação que contestou o trecho da Doma que define o matrimônio como "união entre um homem e uma mulher". Ela tomou a decisão de entrar na Justiça depois de ter sido obrigada a pagar US$ 363 mil (cerca de R$ 805 mil) em impostos pela herança deixada por sua esposa, Thea Spyer.

Como o casamento das duas não foi reconhecido pelo governo federal, o caso foi tratado como se Windsor tivesse recebido o patrimônio de uma desconhecida.

"Quero ir agora mesmo para o Stonewall", disse Windsor segundo a revista americana The New Yorker, referindo-se ao bar no bairro nova-iorquino do Greenwich Village que foi palco dos confrontos entre gays e a polícia em 1969, transformando-se em um marco do movimento pelos direitos dos homossexuais.

Romance e luta pela vida

Foi no mesmo Greenwich Village que teve início a história de Windsor e Spyer, agora transformada em símbolo da luta pela igualdade de direitos de matrimônio para os gays.

Era a década de 60. Windsor, nascida na Filadélfia, estava divorciada do primeiro marido, Saul Windsor, com quem tinha sido casada por menos de um ano, e havia se mudado para Nova York para poder viver abertamente como gay. Ela conta que, na noite em que conheceu Spyer, uma psicóloga, as duas dançaram "até fazer buracos nas meias".
"Me sentia angustiada pelo fato de que, aos olhos de meu governo, a mulher que eu amei, de quem cuidei, com quem dividi minha vida, não era minha esposa legal, mas considerada uma estranha sem nenhuma relação comigo." Edith Windsor
Em 1967, elas iniciaram um noivado que durou 40 anos até que, em maio de 2007, casaram-se em Toronto, no Canadá. Spyer lutava contra esclerose múltipla desde 1977 e havia ouvido de seus médicos que tinha apenas um ano de vida.

Após a notícia, as duas mulheres decidiram oficializar a união de quatro décadas.

Com a progressão da doença, que deixou Spyer progessivamente paralisada, Windsor abandonou seu emprego na IBM para cuidar da esposa em tempo integral. Spyer morreu em 2009, após lutar contra a doença durante 32 anos.

"Três semanas antes de morrer, Thea disse: ‘Nossa, nós ainda estamos apaixonadas, não é?'", lembrou Windsor em uma entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Herança e angústia

Retrato mostra Edith Windsor e a mulher, Thea Spyer; ação judicial motivou decisão nos EUA
Pela lei americana, quando um dos cônjuges morre pode deixar bens para o outro sem a necessidade de pagamento de impostos estaduais. O Estado de Nova York reconhece o casamento de pessoas do mesmo sexo, mas como o governo federal não reconheceu a união de Windsor e Spyer, ela foi obrigada a pagar os impostos.

"Me sentia angustiada pelo fato de que, aos olhos de meu governo, a mulher que eu amei, de quem cuidei, com quem dividi minha vida, não era minha esposa legal, mas considerada uma estranha sem nenhuma relação comigo", disse Windsor, em lágrimas, ao comentar a decisão.

Windsor relatou ao jornal americano The New York Times que teve dificuldade para conseguir um advogado. O caso foi assumido por Roberta Kaplan, do escritório Paul, Weiss, Rifkind, Wharton & Garrison, ao lado da organização de defesa dos direitos civis União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês).

Enquando comemorava a decisão da Suprema Corte ao lado de Kaplan, Windsor recebeu um telefonema do presidente americano, Barack Obama e agradeceu seu apoio.

"Me sinto honrada e radiante por representar não apenas os milhares de americanos que tiveram suas vidas afetadas negativamente pela Doma, mas aqueles cujas esperanças e sonhos foram restringidos pela mesma lei discriminatória", disse à imprensa ao comemorar a decisão.
A partir da BBC. Leia no original
Compartilhe no Google Plus

Sobre Editor

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

1 comentários :

  1. Casamento GAY virou moda! É exaltado ao extremo!
    Respeito os gays e nada tenho contra eles.
    Mas talvez os gays não saibam...principalmente aqueles q decidiram assumir sua situação somente agora, que o assunto entrou em voga.
    Muitos desses gays, que antes não se assumiam e tinham uma vida paralela resolveram "sair do armário", esquecendo da quantidade enorme de "vítimas" que fariam.
    Precisaram fingir ser homens ou mulheres heterossexuais e, nessa brincadeira para serem aceitos na sociedade, vitimizaram homens e mulheres que não sabiam do fato e passaram anos de suas vidas casados com uma pessoa que não sabiam que existiam.
    Seus problemas sexuais com o/a parceiro/a, era por estes deixados para trás, em nome da família.
    A maioria deles tiveram filhos.
    Agora que resolvem se assumir querem que a família (o esposo ou esposa abandonados) e que os filhos aceitem o fato como algo natural.
    Ora, se eles não tiveram a coragem de não casar e o caráter de não enganar outras pessoas, agora desejam compreensão?
    E os filhos que foram criados com pai e mãe (cada um assumindo o seu papel socialmente previsto) agora são obrigados a assumir que os pais são gays como se isso fosse a coisa mais natural do mundo?
    Se esses gays não assumiam tal fato, passam a exigir, agora, que seus os entendam e considerem o fato como algo natural?
    Desde muito tempo, muitos dos gays não casavam. Não enganavam outras pessoas em busca de um posicionamento profissional ou social. Esses eu respeito com o maior orgunlho.
    Mas os gays que precisaram enganar suas mulheres ou maridos...e agora resolvem se assumir...por estes tenho desprezo. Pois nos fizeram sofrer como filhos ou como esposas e maridos.
    É gay!? Tudo bem, mas assuma sua situação. Caso não tenha coragem o suficiente para se impor perante a família ou a sociedade...fiquem sozinhos. Não façam outras pessoas de vítimas, para serem aceitos ou para transparecerem algo.
    O sofrimento é infinito para as vítimas diretas (mulher e marido) e para as vítimas indiretas (filhos e familiares de sangue ou não).
    Viramos motivo de piada e maledicências que nos tiram a vontade de viver e nos envergonham profundamente.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;