'A DELICADEZA DO AMOR', UM FILME SENSÍVEL

Nathalie tem uma vida maravilhosa. Ela é jovem, bonita e tem o casamento perfeito. Mas quando seu marido morre num acidente, seu mundo vira de ponta cabeça. Nos anos seguintes, ela foca em seu trabalho, deixando seus sentimentos de lado. Então, de repente, sem mesmo entender o porquê, ela beija o homem mais inesperado -- seu colega de trabalho, Markus. Esse casal incomum embarca numa jornada emocional; uma jornada que suscita todos os tipos de questões e hostilidade no trabalho. Podemos de fato escolher a maneira de redescobrir o prazer de viver? Maravilhados com o amor récem-descoberto, Nathalie e Markus acabam fugindo para dar uma chance ao relacionamento dos dois. Esta é uma história de renascimento, mas é também um conto sobre a singularidade do amor.

Adaptado do oitavo romance de David Foenkinos, vencedor de 10 prêmios literários e que já vendeu mais de 700 mil cópias. 

Sem dúvidas, o personagem de Markus é responsável pela engrenagem do filme após o primeiro ato, período de luto de Nathalie, mais carregado de drama. Markus é a personificação de um homem excêntrico: é feio, esquisito, possui um trabalho burocrático e sem graça, tal qual suas roupas. Entretanto, revela-se um verdadeiro gentleman, um homem sensível (com potencial para poeta) e engraçado, mas que sofre preconceito por sua aparência. E é por esse homem por quem, lentamente, Nathalie se apaixona.

O adjetivo contido no nome do filme faz jus a ele em todos os aspectos. A delicadeza do amor é, verdadeiramente, delicado. Muito disso se deve à apresentação de seus personagens, feita com profundidade, leveza e uma excelente dose de comédia: o foco do filme são Nathalie e Markus - que dividem o protagonismo de maneira bastante equilibrada, ainda que a história se inicie a partir da moça -, mas se percebe com facilidade que, em geral, conhecemos cada um deles eles em sua essência. Qualidades, defeitos, momentos de fraqueza e de glória, os integrantes desta história são plenos, não há disfarces em sua caracterização.


Dentre tantas questões interessantes sobre o filme, é admirável a maneira como nele o tempo é tratado. No registro da passagem do tempo diegético (ou seja, de dentro do universo ficcional), é belo notar como esta é diferente dependendo do enfoque que se queira dar a um momento específico. Exemplo: o tempo que leva para Nathalie se recuperar da perda do marido e recomeçar a vida não se dá de uma hora para a outra nem para a personagem, nem para nós, espectadores, porque exige essa lenta transição, correspondente à fase difícil por que a personagem está passando. Por outro lado, é veloz (além de suave e poético) o salto temporal que ocorre na cena entre o pedido de casamento de François para Nathalie e o casamento em si - através de efeitos especiais, acompanhamos o mudar do tempo da narrativa, no que seria um plano sequência (quando não há cortes de uma cena para outra) - que pode ser interpretado como um momento que passou com rapidez, em toda a sua plenitude e importância, como na impressão real de que “tudo que é bom dura pouco”.

ELENCO: Audrey Tautou, François Damiens e Bruno Todeschini.
DIREÇÃO: David Foenkinos e Stéphane Foenkinos.
GÊNERO: Drama
ANO DE PRODUÇÃO: 2011
PAÍS DE ORIGEM: França
Compartilhe no Google Plus

Sobre Editor

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

4 comentários :

  1. Olá, gostaria de recomendar um bom livro para ler, é gratuito.
    http://intercei.com/wp-content/uploads/2011/08/Livro_dos_Espiritos.pdf

    ResponderExcluir
  2. Olá esse blog é espirita e gostaria de fazer uma pergunta o q acontece quando a pessoa em uma outra vida se separa de seu amado , mais não era ainda a hora?

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Uma pergunta que busco sempre desesperadamente é a seguinte, peço a quem possa me ajudar a encontrar a resposta: todos nós temos uma alma gêmea, eu sofro demais, por mais de um ano, de amor a um colega que não me aceita como mulher, fica com todas e qualquer uma, menos comigo. Porque todo esse sofrimento, será que para mim não existe alma gêmea ou mesmo afim? Me ajudem!

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;