O QUE ACONTECEU NOS ANOS EM QUE NÃO NOS VIMOS

Encontrar um antigo amor é sempre embaraçoso -- e complicado. Um dos dois fez o outro sofrer, claro, por isso não dá para dizer (nem ouvir) um "oi, tudo bem?", que poderia soar como uma cruel indelicadeza.

Em lugares com muita gente é possível disfarçar, apertando os olhos e fingindo que ficou míope, por exemplo. Pode também atender o celular (que não tocou, mas dá para fingir que ele vibrou) e cortar a possibilidade de uma conversa.
E conversar sobre o quê? Política, o último filme? Sobre o passado? Difícil, um encontro desses, e quando essas duas pessoas tiveram um grande caso de amor há muitos e muitos anos, nunca mais se viram e o acaso fez com que eles se encontrassem, aí é muito grave.

Primeiro é o susto, seguido de uma fração de segundo para reconhecer -quem diria?- o que foi uma grande paixão.

Essa hesitação acontece com os dois; não que um tenha se esquecido do outro, mas tudo aconteceu há tanto tempo que, quando esse encontro acontece, a ficha leva alguns segundos para cair.

Ele vai tentar reconhecer nela aquela mulher que tanto amou -sem conseguir. Ela vai achar que o tempo foi cruel com ele, esquecida de que o tempo passou para ela também.

Mais do que qualquer ruga, foi a expressão do olhar que mudou. Por expressão do olhar entenda-se o brilho das ilusões dos 30 anos, das esperanças, da certeza de que o amor seria eterno.

O tempo passa e a vida vai nos fazendo menos crédulas e mais práticas; menos românticas, sobretudo.

Quando eles se olham, se dão conta de tudo isso e de muito mais; sabem que cada marca no rosto, cada fio de cabelo branco, é resultado de outros amores que aconteceram desde a última vez em que se viram, das experiências pelas quais passaram, um sem o outro. É a dolorosa constatação de que a vida passou. Para elas, é sempre pior, já que as mulheres costumam ser dramáticas.

Como é possível perguntar a um ex-grande amor o que aconteceu nos anos em que não se viram, se ele sofreu quando se separaram, se esqueceu, se se apaixonou de novo?

E não poder dizer que em todo esse tempo nunca surgiu outro homem que apagasse a lembrança de tudo que eles foram, que quando toca a música que era a deles seu coração ainda bate forte, e que ela nunca perdeu a esperança de que ele um dia aparecesse dizendo que foi tudo um grande erro, que queria ela de novo para sempre; como dizer isso a um homem que não vê há 20 anos?
Não dá, simplesmente não dá.

Quando esse encontro acontece e os dois vão, civilizadamente, tomar um vinho, a conversa pode ser perigosa, e é melhor que mintam e não mostrem fotos dos filhos. O que está feliz não fala, por delicadeza. E o outro, que não é infeliz nem feliz, também se cala. Problemas sentimentais podem ser contados a amigos, não a ex-amores.

Mas tem pior. É quando ela reencontra esse homem que não vê há tanto tempo, esse homem por quem teria feito todas as loucuras, e não sente absolutamente nada. E pensa: "Como é que eu perdi tanto tempo com esse cara?" A autoindulgência a poupa de pensar "como eu era boba".

Por essas razões e mais umas 500, é prudente deixar o passado em seu devido lugar; mas se acontecer um desses encontros e pintar a vontade de voltar no tempo, é melhor ser forte e resistir à tentação. Mesmo sofrendo, se for o caso.

Em certas coisas não se deve mexer, e o passado é, decididamente, uma delas.
Compartilhe no Google Plus

Sobre Editor

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

6 comentários :

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. o pior são os " detalhes tão pequenos de nós " que sem querer vem retratados na memória na hora em que o tal amor nos aparece... sei bem como é isso...

    ResponderExcluir
  3. antonia limanovembro 03, 2011

    talvez se da um frio por dentro e porque o amor a
    inda existe nao e facil
    antonia lima

    ResponderExcluir
  4. Se não deu certo no passado , pq imaginamos q talvez possa dar certo agora ?
    Mas vira e mexe me pego sonhando ....

    ResponderExcluir
  5. Tive um grande amor... isso aconteceu em 94. Ele namorava sério, mas não nos impediu de um envolvimento inesperado. Logo percebi que ele não poderia ir além daquilo. Tivemos uma conversa muito dolorosa para ambos e acertamos que não dava mais. Sofri muito. Ele ficou noivo. Em 96,era tarde de noite quando voltava do trabalho, encontrei-o no ônibus, ele segurou minha mão, passou a mão no meu rosto, nos beijamos e ficamos junto naquele dia. Eu não entendi, na época, uns 3 meses depois, ele se casou.
    Em 98, nos encontramos na rua e almoçamos juntos, nos beijamos. A esposa tinha tido um aborto. Em 99, ele teve uma menina. Sabia onde encontrá-lo, levei um presente para a criança. Em 2002 (eu estava naorando há quase 2 anos), ele me ligou, nos encontramos. Nos encontramos de novo e nos entregamos. Tivemos alguns encontros e decidi me declarar. Disse: EU TE AMO. Ele saiu sem dizer nada e não nos falamos mais. Só nos vimos por aí.
    Me apaixonei novamente, vivi outros amores, mas quando acabavam, eu pensava nele.
    Ano passado (agosto/2011), estacionei o carro na frente de um mercado a 45º... ele vinha pela calçada, me observando. O encontro foi inevitável. Entrei no mercado, ele me acompanhou. Fique com taquicardia, perdi o compasso e ele me seguindo dentro do mercado. Ele me segurou, me beijou e eu correspondi. Do lado de fora, ele quis me beijar de novo, não deixei. Ainda falei: "Até parece que sou eu que devo" e "Já pensou se me veem aqui?" Dei meu telefone. O dias se passaram, ele não me procurou e quando o encontrei, ele fez que não me viu. Fiquei muito triste. Escrevi pra ele no trabalho, disse que pensava nele, que tinha saudades, mas que pelo jeito, ele tinha se arrependido. Eu o respeitaria, como sempre respeitei, porque eu não tinha o direito de pedir nada.
    Esse ano, em junho, ele se divorciou e parece que foi por traição. Não tenho certeza. Ele tem sofrido muito, tem sido um tempo difícil da vida.
    ESTOU me preparando para procurá-lo. Vou tentar. QUERO VIVER ESSE AMOR. Estou preparada para o que for.

    ASS. Amor impossível

    ResponderExcluir
  6. Realmente é muito complicado você passar anos e não parar de pensar na pessoa que te despertou tantas emoções. pensar em como teria sido se tivessem ficado juntos,dos filhos que teriam tido,dificuldades passadas com mais facilidade por estar ao lado de quem se ama. Infelizmente não dá pra saber.

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;