"07 de abril de 2011. Estou especialmente feliz hoje. Aliás há muito tempo não me sinto assim, pois a vida não tem sido fácil no geral.

Aproveitando o meu dia feliz por mim mesma, me veio um pensamento de que todas as vezes que paro para pensar na minha vida não penso na minha vida. Minha vida é a vida dos meus filhos e Deus sabe o quanto os amo.

Mas hoje quero falar de mim, dos meus anseios, dos meus amores.

Há muitos anos não me sinto assim, completa realizada e feliz mesmo, pois depois de aproximadamente 25 anos reencontrei meu grande amor.

Meu coração e minha memória perseguiram esse amor durante todos esses anos, conforme o depoimento postado aqui (Me ajudem a entender...) e já não tinha mais esperança de revê-lo.

Assim, ultimamente resolvi não mais ligar, nem mandar e-mail, e nem lembrar da sua existência. Tenho registrado o último e-mail recebido dele em maio de 2010, portanto há quase um ano atrás. Eu estava indo bem e resistindo bravamente em não mais procurá-lo. Essa história de alma gêmea que alimentei por todos os 25 anos já estava caindo por terra. Já estava achando que havia me enganado e que esse papo foi algo que criei na minha cabeça como uma forma de justificativa para minha persistência.

Me entreguei de vez ao trabalho e à minha família que me ama de verdade e por quem sou amada.

Eis que ontem estava atolada de trabalho até o pescoço quando toca meu celular. De imediato não reconheci a voz (o que pra mim já foi um progresso), perguntei quem falava e para minha surpresa era ele. Nossa, levei um susto, não sabia o que dizer e acabei falando coisas banais do tipo: poxa você sumiu... e bla, bla bla. Foi quando ele me disse que estaria em São Paulo por dois dias apenas, ontem e hoje e gostaria de me ver. Veio a trabalho, estaria ocupado em um curso mas perguntou se eu gostaria de ve-lo. Claro que imediatamente anotei o hotel que estava e respondi simplesmente que eu ligaria confirmando nosso encontro, mas já estava pensando que desculpa daria em casa para vê-lo e fiquei tão ansiosa que não consegui dormir. Tentei pensar em algo e nada vinha na minha cabeça, pois meu marido é um homem extremamente controlador, sabe de todos os meus passos. Não por ciúme ou desconfiança, pois temos uma boa relação , mas ele é extremamente preocupado com a família. Chega a ser neurótico mesmo, mas não me incomoda.

Porém eu esperei por 25 anos por um encontro. Todas as vezes que tentávamos nunca deu certo, a mulher dele tem ciúmes de mim até hoje mesmo sem me conhecer. Portanto eu estava mais que determinada a reencontrá-lo, pois que outra oportunidade na vida eu teria senão essa.
Tenho um cargo importante em uma empresa e tenho facilidade em sair em horário de expediente. Assim disse ao meu marido que teria que me ausentar do trabalho no período da tarde para resolver problemas junto a Receita Federal e na empresa simplesmente disse que iria resolver problemas pessoais.

Planejei e armei tudo sem ninguém saber, pois ele é algo escondido, ninguém sabe...é quase um fantasma rsrsrsrs.

Combinamos tudo através de torpedos. Perguntei qual o melhor horário e marcamos para as duas horas em uma estação qualquer do metro. Estava muito ansiosa desde o dia anterior como já disse, porém não podia perder a coragem. No percurso tentei me acalmar para não falar um monte de abobrinha e parecer boba na frente dele. Não sabia sequer se o reconheceria, embora tenho uma foto recente que me mandou há três anos atrás.

Para minha surpresa cheguei no local no horário indicado e continuamos a trocar torpedos para nos localizarmos.

Quando cheguei não o encontrei e liguei. Ele disse que estava do outro lado da estação e fui indicando a ele como fazer para me localizar. Isso demorou alguns minutos, mas pra mim foi uma eternidade.

De repente estávamos nos falando no celular e quando virei lá estava ele na minha frente, igualzinho a 25 anos atrás. Para minha surpresa não fiquei nervosa. Dei um longo abraço nele e propositalmente fiquei olhando aquele rosto que já nem lembrava mais. Olhava, olhava e não me cansava. Também não fiz questão de esconder que estava curtindo aquele momento. Fomos a um bar, ficamos por ali conversando, falando um pouco do passado, um pouco do presente dos rumos que tomaram nossas vidas, mas sempre de um jeito descontraído. Eu sou bem brincalhona e tentei descontrair o máximo que pude pra não carregar demais o encontro tão esperado. Naquele momento ele me pareceu o mesmo rapaz por quem fui tão apaixonada. Pra mim nada havia mudado ali naquele momento.

Claro que falamos do fato de nossas vidas terem se distanciado, dos nossos casamentos, das nossas famílias e a conversa não saiu muito desse tema.

Disse a ele com todas as letras que eu jamais consegui esquece-lo em todos esses anos e que jamais consegui explicação pra isso. Disse que não entendia direito o que acontecia, que eu era bem feliz com meu marido, não estava ali falando de amor, mas que enfim era esse o meu sentimento. Que por muitas vezes me perguntava como teria sido minha vida ao lado dele e que já não tinha mais esperança de reencontra-lo, pelo menos não nessa vida. Ele disse que também nunca me esqueceu, que também as vezes se perguntava como teria sido, mas que dentro dele ele sabia que um dia nos encontraríamos. Eu disse que achava que esse sentimento persistia por tanto tempo porque nossa relação não foi acabada corretamente. Queria corresponder mais e mais, porém o local não era apropriado.

Ele estava com pressa, tinha que viajar naquele momento, o celular tocando o chamando e nos despedimos. Nos despedimos com a promessa de que nos comunicaremos um pouco mais. Me explicou o quão ciumenta é sua esposa, por isso nosso contato é tão difícil, pois ela e a filha o vasculham nas redes sociais, celulares e ele não tem qualquer privacidade. Me disse que vai estar por aqui com mais frequência e que vamos nos ver novamente. Prometemos que vamos encerrar finalmente nossa relação como deveria ter sido há tempos atrás. Quero muito essa prova dos nove.

Demos um abraço demorado de duas pessoas que se querem muito bem. Nem consigo explicar, pois não fazemos parte da vida um do outro, mas foi assim.

Estou radiante, foi um dia muito especial. Mesmo que jamais volte a ve-lo pra mim valeu. Valeu mesmo e só tenho a agradecer a Deus por ter permitido viver isso diante de tantas conturbações que tenho passado.

Voltei a achar que ele é minha alma gêmea, e o pior...ele também acha !!!!"

Mensagem anônima enviada ao Grupo Amor de Almas
 Continuação da mensagem "Me ajudem a entender..."
Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

7 comentários :

  1. MARCOS, VALEU PELA POSTAGEM ADOREI MESMO E PRINCIPALMENTE A RAPIDEZ. É CONFORTANTE SABER QUE TEMOS ALGUEM COM QUEM COMPARTILHAR TAIS SENTIMENTOS. PODE TER CERTEZA QUE ESSE ENCONTRO VEIO PARA QUE EU VOLTE A ESCREVER BASTANTE COISAS PARA COLABORAR COM O SITE.
    BEIJO ENORME E FIQUE COM DEUS

    ResponderExcluir
  2. Olá. A idéia da página, como sabe, é justamente este: colher depoimentos ou contar histórias de amor, belas, tristes, mas acima de tudo e principalmente reais. E a sua já faz parte da nossa. Um abraço. Marcos

    ResponderExcluir
  3. Interessante é que por mais que haja relações com outras pessoas, e pode-se até casar, sempre há aquela pessoa que tudo combina e que está junto com você ou que some, esta vc daria tudo pra ficar com ela de novo, mas as vezes é difícil, complicado e parece até impossível, mas um reencontro quando possível, parece mágico, toca o coração e às vezes, na maior parte das vezes, queremos colocar tudo que conquistamos a perder, as vezes só por um momento que sempre tinhamos com a gente e na maioria das vezes, só percebemos tarde que nunca damos valor ao que talvez não poderemos mais ter.

    ResponderExcluir
  4. É preciso que prestemos atenção os fatos e nas pesoas pra que não percebamos o valor delas muito tarde.

    ResponderExcluir
  5. e preciso que nois prestamos muito atençao o que acontese a redor da jente quando ajente vem peseber e tarde falo isso por mim mais sinto isso comigo ate hoje

    ResponderExcluir
  6. Boa noite!
    Amor verdadeiro amor da minha vida!!!

    ResponderExcluir
  7. Boa noite!!
    Eu tenho esse amor, em minha vida meu primeiro namorado,nunca esqueci, espero um dia encontra com ele.

    "Me ajudem a entender,,.,.
    Ela ouvi a voz do coração,e se ela não foce ela poderiam arrepender de ver uma pessoa que marcou a vida dela. Eu faria a mesma coisa.
    Parabéns pela coragem;.,.,

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;