Agora eu lhe peço: diga que me ama. Seguro sua mão. Estamos olhando o rio juntos.

- A ausência de resposta também é uma resposta - diz ela. Eu a abraço e coloco sua cabeça no meu ombro.

- Eu te amo. Eu te amo porque todos os amores do mundo são como rios diferentes correndo para um mesmo lago, e ali se encontram e se transformam em um amor único que vira chuva e abençoa a terra.

"Eu te amo como um rio, que cria as condições para que a vegetação e as flores cresçam por onde ele passa. Eu te amo como um rio, que dá de beber a quem tem sede e transporta as pessoas até onde elas querem chegar.

"Eu te amo como um rio, que entende que precisa correr di­ferente em uma cachoeira e aprender a repousar em uma de­pressão do terreno. Eu te amo porque todos nascemos no mesmo lugar, na mesma fonte, que continua nos alimentando sempre com mais água. Assim, quando estamos fracos tudo o que preci­samos fazer é aguardar um pouco. Volta a primavera, as neves do inverno derretem e tornam a nos encher de nova energia.

"Eu te amo como um rio que começa solitário e fraco em uma montanha, aos poucos vai crescendo e se unindo a outros rios que se aproximam até que, a partir de determinado mo­mento, pode contornar qualquer obstáculo para chegar aonde deseja.

"Então, eu recebo seu amor e lhe entrego meu amor. Não o amor de um homem por uma mulher, não o amor de um pai por uma filha, não o amor de Deus por suas criaturas. Mas vim
amor sem nome, sem explicação, como um rio que não con­segue explicar o seu percurso, apenas segue adiante. Um amor que não pede e que não dá nada em troca, apenas se mani­festa. Eu nunca serei seu, você nunca será minha, mas mesmo assim posso dizer-, eu te amo, eu te amo, eu te amo."

Trecho do novo livro do autor, "O Aleph". Imagem: por linh.ngân.
Saiba mais sobre a obra aqui.  E leia o primeiro capítulo
Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

7 comentários :

  1. Muito lindo, obrigado amore mio...

    ResponderExcluir
  2. Mia vita e tu

    ResponderExcluir
  3. Nossa parece que este poema foi feito pra mim é exatamente o que sinto, o que estou vivendo. "Nunca serei sua mais sempre vou te amar."

    ResponderExcluir
  4. tenho 37 anos sou apaixonada por um homem de86 anos , eu não tenho culpa de ter conhecido ele a culpa é do amor. te amo jô !!!!!

    ResponderExcluir
  5. o amor e um vida enconpreta

    ResponderExcluir
  6. comigo e assim nunca serei sua mas eu sempre te amarei que pena dentro de mim tem sem
    pre um buraco que não tem fim

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;