Não tenho sorte. Saí de São Paulo e fui para o Rio, atrás do Felipe, um garoto que eu conheci no Carnaval, e lá me disseram que ele estava morando aqui. Vim atrás dele e, depois de vários dias procurando em todos os lugares possíveis e impossíveis, fiquei sabendo que ele não suportou a paz de Búzios e voltou para o Rio. Para o agito. Novo endereço e novo número de celular, ninguém soube me informar. Pô, não é uma tremenda falta de sorte?

O desabafo, quase em lágrimas, foi feito pela Ritinha, 21 anos, atriz que ainda corre atrás de uma oportunidade na televisão. Cenário do nosso encontro: Praia de Geribá, em Búzios, onde eu e a minha mulher estamos descansando há alguns dias, inaugurando as férias depois da novela. Aqui, mesmo no outono, o sol nasce, brilha e aquece, o que já tirou de mim a brancura de cal que a reclusão impõe.

E Ritinha continuou, os pés descalços na areia:

— Vejam vocês. O Felipe, que tanto quero encontrar, não encontro. E não é que o Gabriel, que pra mim não significa nada, já encontrei várias vezes aqui em Búzios, desde que cheguei? E olha que ele nem é do Rio, mas de São Paulo, muitos quilômetros longe daqui! Como explicar essa contradição?

E, antes que pudéssemos esboçar uma resposta, ela investiu mais uma vez, sempre interrogativa:

— Já me queixava da falta de sorte para conseguir um papel numa novela. De não ter a estatura que queria. De não emagrecer o tanto que preciso, apesar de severas dietas. De não reencontrar o Felipe. E, agora, de ter de fugir do Gabriel, que a todo instante aparece à minha frente, sorrindo e querendo conversar. Não acham demais?

No último dia 22, consagrado à Rita de Cássia, da nossa devoção, eu e Bety fomos à bela igreja que existe aqui em Búzios, e que leva o nome da santa das causas impossíveis. Fomos lá mais para agradecer do que para pedir, e, quando íamos saindo, encontramos novamente a bela Ritinha, que ia entrando.

— Santa Rita te espera, falou a Bety. Sua xará vai ajudar você a reencontrar o Felipe.

— Ah, eu já estive aqui tantas vezes, que a qualquer momento Santa Rita vai se cansar de mim, descer do altar e sair da igreja.

Esperamos por ela e fomos os três a um café na Rua das Pedras. Claro que, para animar nossa jovem amiga, contestamos sua falta de sorte e contamos alguns casos de desencontro que conhecemos. Lembrei, inclusive, do Samba da Bênção, de Vinícius de Moraes e Baden Powell, em que o poeta declara que “a vida é arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”. E que nem por isso as coisas acabam sempre mal.

Ao fim do café com leite e duas porções de pão de queijo, todo o lamento de Ritinha se resumia unicamente ao desencontro com Felipe e ao encontro forçado e constante com Gabriel. Isso a afligia mais do que a falta de oportunidade profissional, a pouca estatura e os quilinhos a mais na balança. Afinal, quase sempre é ao redor dos sentimentos que a tristeza alcança as mulheres.

Já de volta ao hotel, lembrei-me de quatro versinhos que conheço há muitos anos e que resumem todo o desgosto de Ritinha e sua declarada falta de sorte na vida sentimental:

Quem eu quero, não me quer.
Quem me quer, eu não desejo.
Todo dia vejo quem me quer,
quem eu quero nunca vejo!

Pensei em mandar essa quadrinha à Ritinha, mas desisti. Afinal, os versos não explicam os desencontros da vida. Apenas os confirmam. Pelo que pudemos perceber, não é do que Ritinha está precisando. É do Felipe.

Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

1 comentários :

  1. olá existe um sentimento dentor de mim q ñ passa,a 4 anos conheci uma pessoa com quem me relacionei alguns meses,essa pessoa nem me interessava pois na epoca eu estava apaixonada por outro homem,mesmo assim tentei,ele parecia interessado,mais no carnaval me dxou e logo apos me procurou eu ja havia voltado para o outro e ele ficou so me procurando e eu fugindo dele...
    o tempo passou e durante esse tempo me lembrava muito dele e depois ele mesmo sabendo q eu estava com outro alg ,começou a me ligar e de tanto insistir eu
    terminei indo...
    ray
    foi maravilhosooooooo
    como nunca tinha sido..
    quase dxo o outro por ele,me encontrei varias vzs escondido.
    mais um dia por besteiras ele começou a me evitarrr...
    eu fiquei muito triste e tentei e consegui ficar tudo de bem novamente com meu namorado...
    e p/ meus dias dxarem de ser tristes eu resolvi engravidar,ele qnd soube ficou louco querendo saber se o filho era dele,mais ñ era e eu muito triste por ñ ser,por q ele me pediu perdão de tudo e disse q nunca mais me trataria assim...
    mais ñ deu mais eu fiquei com meu namorado atual esposo e mesmo assim ñ consigo esqueçer essa pessoa poisss é um sentimento q ñ morre,axo q ele nem de longe sente o mesmo por mim...
    ñ sei mais o q fazer...
    doiiiiii,e o q sinto pareçe ser algo profundo por doi dentro d e mim mesmo a ausencia dele...
    ñ é só sexual por q essa parte nem foi tão profunda pra despertar esses desejos...
    qual a explicação q vc me daria pra isso...

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;