AMOR E PAIXÃO : TÃO IGUAIS E TÃO DIFERENTES

Estádio lotado, torcidas em festa. Vai começar a partida. De um lado, o amor - forte, tranqüilo, constante, com jeito de que dura para sempre. Do outro, a paixão - intensa, eletrizante, quente, com ares de que acabou de sair do forno.

O senso comum diz que o amor é duradouro e a paixão, efêmera. Para Dani Gaúcha, o amor é mais importante do que a paixão. Ela namora há mais de quatro anos e com o namorado aprendeu o que é amor de verdade. "Não fui perdidamente apaixonada por ele, nem no início, como fui com outros. Mas ele tem o melhor beijo que já provei, é a melhor companhia que já experimentei, me ama com todos os defeitos que tenho, que são muitos, me apóia e aconselha. Eu pensava que precisava estar queimando de paixão para casar, mas descobri que não é isso, que se precisa de amor", conta.

Dizem que o amor acontece quando a gente deixa de esperar o príncipe e começa a lidar com o sapo. A leitora garante que o amor tem várias vantagens: "Se o seu amor ficar doente, você não acha ruim sair correndo pra ficar com ele. E quando se encontram, você tem certeza que ele não vai deixar de gostar de você porque está horrorosa. Tudo é muito bom: calma, paz, silêncio confortável, dormir abraçadinho e estar do lado de um cara que te faz ser melhor do que você é, porque está sempre te apoiando e dando idéias. Isso é o que a gente precisa", diz ela, que nunca mais passou pela ansiedade de ficar esperando o carinha da balada ligar.

Reforçando o time das que acreditam no amor, Lisandrita revela: "O meu casamento é baseado num amor daquele que nós dois sabemos que queremos envelhecer um com o outro. Foi assim desde o começo. Somos super parceiros, companheiros de jornada e não dois amantes desenfreados buscando o prazer eterno - apesar de nos darmos super bem sexualmente, sexo não é prioridade na nossa vida, mesmo realizando dia sim, dia não", conta ela. E completa : "Depois que o conheci, eu entendi a diferença entre ‘paixão' e ‘amor'. Eu acho que é justamente aí que a maioria das pessoas erra: casa achando que a paixão vai durar para sempre. Não é assim. Meu marido e eu enfrentamos obstáculos, que sempre existem. Só que a gente supera com muito carinho e diálogo. Isso é amor, não é mais paixão - aquela coisa de pensar 24 horas no Fulano e viver como se fosse um conto de fadas", defende ela, argumentando que é preciso maturidade para viver um grande amor.

O lado da paixão

Mas há quem, como Anjo, credite o sentido da vida somente à paixão. Ela está casada há mais de oito anos, conhece o marido há quinze e nunca deixou de sentir os arrepios de uma paixão adolescente. "Sinto borboletas na barriga quando sei que vou chegar em casa e vou encontrá-lo. A paixão existe até hoje", diz ela. Segundo a psicóloga Mariana Mattos, a paixão faz parte de um momento inicial em que o casal está se conhecendo: "Há muitas idealizações de parte a parte. Além disso, é uma fase em que um tenta mostrar ao outro o que tem de melhor. O outro, por sua vez, só consegue enxergar o que é bom. Ou seja: enquanto um tenta ser o mais agradável possível, o outro releva pequenas coisas que não relevaria em outro momento", explica.

Para a psicóloga, o amor parte de dados mais reais. Comparando um ao outro, Mariana Mattos pondera que não dá para eleger um sentimento melhor e outro pior. "A paixão pode ser uma grande curtição, mais fácil, mais gostosa. Isso se for correspondida, senão vira um tormento", lembra ela, para quem o amor envolve mais segurança. Para ela, se tudo der certo, a paixão se transforma em amor. "O desejo de todos é que a paixão renasça várias vezes ao longo de um relacionamento, pois dessa forma temos o melhor de cada sentimento: a emoção de um e a segurança do outro", finaliza.

Rosana F.
A partir do site Bolsa de Mulher. Leia texto integral.
Imagem:
Flickr.Robert Indiana. "Por amor al arte".
Valencia, 8 enero 2007.
Visentico / Sento
Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

2 comentários :

  1. Oi! Estou passando por aqui para deixar o meu obrigada. Continue escervendo sobre esses temas que tanto me apaixonam!
    beijo
    Natchi

    ResponderExcluir
  2. Gostei...rsrs
    Espero que eu encontre logo meu amor!!!
    Beijos

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;