QUEM SE APAIXONA SEMPRE AMA O AMOR


O psicanalista Nahman Armony, em recente artigo publicado na revista Caras (edição 806-número 16), tratou de um tema comum ao blog: o daquelas pessoas que necessitam estar permanentemente apaixonadas. "Elas se apaixonam, após algum tempo se decepcionam e então encontram uma nova paixão. Em seguida, começam tudo de novo. Por que tendem a repetir esse padrão?", argumenta. Segundo ele, uma das várias hipóteses plausíveis são que essas pessoas, na verdade não amam o outro, mas o sentimento que o outro dedica a elas; elas amam o amor. O outro é apenas o veículo desse amor.

De todos os motivos que se tem para amar, que são muitos e complexos, esse é o mais ubíquo. Todos passamos por uma experiência de bebê na qual somos passivos, ainda incapazes de amar mas necessitando dos cuidadosde uma mãe amorosa. É o amor da mãe que amamos em primeiro lugar. Estou falando de uma experiência primitiva que marca indelevelmente o sistema nervoso da criança. O bebê não ama; ele tem necessidades que serão atendidas se for amado pela mãe. Esse amor manifestado através da proteção, dos cuidados e da ternura faz com que, posteriormente, ele se apaixone perdidamente pela mãe. Mas seu primeiro contato não é com ela e sim com o amor que ela lhe dedica. É aí que se fixa o traço selvagem do amor, traço que persevera mesmo no amor maduro.

Na paixão adulta imatura é apenas o amor incondicional do outro que é amado, não se chegando a amar o outro em si. Nos primeiros tempos de idolatria, essa situação é até possível. Com o passar do tempo, no entanto, para além do amor do outro, surge o próprio outro, com a sua individualidade peculiar e, por isso mesmo, invasiva. A ilusão do amor intransitivo então se desfaz. É hora de procurar uma nova ilusão em um novo parceiro. Um intenso sentimento de falta daquela relação inicial absoluta impele a pessoa a procurar outra paixão intransitiva a todo custo. A necessidade de recuperar o paraíso perdido é tão intensa que qualquer pessoa que minimamente estimule as fantasias de amor incondicional se torna imediatamente objeto de paixão. Não é possível nem dar um tempo para melhor conhecer o outro, saber se as personalidades são compatíveis. Basta que o desconhecido prometa amar sem restrições para a paixão ressurgir com toda a força.

Ao fim de algumas decepções a pessoa poderá incorporar a vivência da impossibilidade de uma relação sem diferenças. A estabilidade alcançada no terceiro ou no quarto casamento, portanto, muitas vezes não se deve apenas ao encontro de alguém mais compatível, a uma escolha melhor, mas também a esse aprendizado da impossibilidade de uma relação incondicional, o que leva a uma maior aceitação das diferenças.

Há alguns antídotos contra esse irrefreável desejo de encontrar outro amor abstrato toda vez que o parceiro começa a aparecer por trás de seu amor. Um deles é o direcionamento da paixão para realizações pessoais e culturais. Podemos amar e nos sentir amados por qualquer coisa: futebol, coleção de selos, música, cavalos e, melhor, por nossa profissão. Outro antídoto é tentar romper as barreirasdo amor abstrato, do amor ao amor, e amar a pessoa que nos distingue com seu amor, o que nada mais é que atingir um amor maduro. É uma dupla conquista, pois reconhecer o outro é também se reconhecer, podendo então prescindir do amor incondicional.
Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

3 comentários :

  1. Amo o amor, sim! Estou sempre amando... Sempre apaixonada...


    Beijão!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Hummm...
    Instigante!
    Intima a pensar e repensar.
    Mas o vale apena.. seja o amor pelo amor ou ao ser...
    Vale é amar! Acho.. rsrsrsrs!

    ResponderExcluir
  3. Sim. Amo o amor, mas não é o fato de ama-lo que me faz amar o meu grande amor. Até mesmo porque ele não chegou fazendo promessas, nem realizando minhas fantasias de adolescência. Eu acredito que todos procuram o amor, mas ele que verdadeiramente nos acha. Pelo o contrário que me fez muitas promessas nunca teve chance e minha vida. O amor sempre me desafiou, e com ele tenho aprendido a cada dia. Embora, nunca ele tenha me dito que me ama sei do seu amor pelo tempo que compartilhamos cada momento juntos e por hoje embora distante ,do outro lado do oceano pensar em mim. Eu sei que a vida é uma escola e eu não posso ser mais sabia que ela. Ela deve ter as suas razões. Sei que a porta está aberta e que um dia ele voltará para os meus braços sem medo de ser feliz. Um beijo a todos...

    Raio de Luz

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;