Sabe o que eu queria?
Ter um "tempinho" com você.
Juro... não precisava ser todo dia...

Eu queria ter toda a sua atenção,
Falar de tudo... do seu dia, do ir e vir,
Se tudo foi bem e até mesmo, senão.

Falar de coisas banais, desse dia a dia,
Trocar impressões e razões, conversar
Despreocupadamente... só a gente.

Rir das mazelas da vida, ironizar os fatos
Mesmos aqueles mais chatos, os cretinos.
Das soluções que achamos, dos pepinos.

Falar da gente, o que se sente...
Trocar aqueles olhares profundos,
Sem palavras mas abrindo nossos mundos.

Dizer nossas impressões e confidências
Pra mais a gente se conhecer e então
De nossas vidas saber e sem reticências.

Olha... quem sabe até se amar...
Amar no olhar, no ver e no imaginar.
Como eu queria e não precisaria
Ser todo dia.

Não queria que o telefone tocasse
E muito menos lhe chamasse.
E que nesse momento ninguém lhe achasse.

Eu a queria só pra mim...
E assim não ouvir a campainha tocar
Mesmo estando alguém ali, a lhe chamar.

Oras... que se dane e não profane.
Esse momento, não ouse interromper.
Ele é só nosso, tem cheiro de amor e
O tempero do nosso sentimento.

Ninguém invadiria o seu quarto
Rompendo nossa privacidade que só
Deseja um instante de felicidade.

Apenas um momento de recolhimento:
Eu e você... que mais se poderia querer?
Que passem as horas, ora bolas...

Era isso que eu queria... só isso.
Por isso, quando há só uma vontade,
Nada acontece... se sofre e se padece.

"Hoje não... amanhã que sabe...
Melhor assim... cansaço e dor de cabeça.
Quem sabe amanhã eu apareça?"

"Vou ter que sair... me atrasei
Vamos deixar pra depois. Mais tarde viu?"
Dá um beijinho com a mão e... partiu.

E assim os dias se sucedem numa rotina
Desgastante pela espera de horas,
Esse indesejável bis, me faz infeliz.

Sem contar o lado técnico, informático:
"Desligaram o som que não funciona...
Ah... mexeram aqui, a imagem não aparece"
Como isso acontece!!!

É só ver os fatos que se repetem em atos
Chamados "circunstanciais"...
São tão constantes, estão virando normais.

Ai então, a frase final:
"Melhor ir dormir,
Fazer o quê?"

Querida minha, é só ver:
Isto será rotina enquanto
Um só querer !!!
Só um querer !!!
Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

1 comentários :

  1. Amei cada pedacinho desse blog...cada poema postado..cada palavra escrita com sentimento puro..de amor de alma..amei! e farei desse minha passagem preferida..
    Um abraço a dona desse blog..
    Parabéns pelo bom gosto dos poemas!!
    visie o meu tbm srsrsr aishiteiruneoq
    bye

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;