Queria escrever-te uma carta de amor.
Daquelas perfumadas, com a letra arredondada de quando tinha 15 anos, num fundo cor de rosa e flores no canto inferior direito.
Descrevia nela o quanto te adoro, empertigada em palavras doces que aprendi nos livros que li. O quanto as minhas pernas tremem quando encontram os teus olhos verdes no portão da escola.
A força com que durmo agarrada à almofada, à noite, a pensar que és tu e tento sorver dela o cheiro a fresco que sei que tens.
O desejo com que penso em saborear a tua boca que, mesmo sem a ter provado, tenho a certeza que sabe a mentol.

Escrevia-te com letra azul, porque a preta é sombria, e o amor aos 15 anos é claro como o sol e espelha o céu como o mar.
E o papel cheirava a qualquer coisa deliciosa, como tu meu amor, e tinha um daqueles envelopes pequeninos, a condizer.
Selava e assinava no fundo do texto com um beijo, com um batom vermelho roubado à minha mãe. O envelope lacrava-o com cera e colocava a marca do meu coração.

Queria escrever-te uma carta de amor.
Daquelas que quando lesses achasses ridícula, e parva, e comentasses com todos os teus amigos que te tinham deixado uma carta idiota debaixo da tua mochila da Monte-Campo enquanto apertavas distraidamente os All Star.
E depois ficavas a sonhar com a miúda de olhos azuis, a gira da escola, enquanto eu te ajudava com os trabalhos de matemática.
Talvez um dia até comentasses comigo que alguém te tinha escrito uma carta de amor.
E eu continuava a sussurrar-te as equações e as probabilidades e os cálculos diferenciais na esperança que um dia tu efectivamente "lesses" a minha carta de amor.

Queria escrever-te uma carta de amor.
E ter a possibilidade de ter ao teu lado, nem que fosse por uma só noite, a inocência do amor dos 15 anos.
Compartilhe no Google Plus

Sobre João Casmurro

Esta não é uma página pessoal. Todo o material é compilado por uma equipe de colaboradores, coordenada pela editora Ana Carolina Grignolli, jornalista especializada em comportamento.
    Deixe seu comentário
    Comente no Facebook

1 comentários :

  1. olá!
    gostei muito daqui
    parabens pela pagina e pelos otimos textos

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

REGRAS PARA COMENTÁRIOS:

O espaço de comentários do Blog Amor de Almas é essencialmente livre, mas pode ser moderado, tendo em vista critérios de legalidade e civilidade. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. são aceitos comentários anônimos, contanto que não infrinjam as regras acima.

A REDAÇÃO:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;